Pular para a barra de ferramentas

Dia de combate à dor de Cabeça

Dia de combate à dor de Cabeça

Em São Paulo, especialistas darão orientações à população no Conjunto Nacional e promoverão palestra gratuita sobre dor de cabeça, para marcar o Dia de Combate à Cefaléia

Por Luciana Tierno, de São Paulo/SP

No Dia de Combate à Cefaleia (dor de cabeça), 19 de maio, os especialistas da Sociedade Brasileira de Cefaleia estarão à disposição da população para orientar sobre a doença. A ação, que tem apoio da Libbs Farmacêutica, envolve um Ponto de Informação e Atendimento à população, localizado no saguão do Conjunto Nacional durante todo o dia 19 e também contará com uma Palestra, na parte da manhã, aberta ao público, no CineArte.

O evento tem como objetivo informar a população sobre o que é a Cefaleia (os vários tipos de dor de cabeça, inclusive a enxaqueca) e também alertar para os perigos da automedicação e uso abusivo de analgésicos, que causam inúmeros problemas à saúde. A ação também é um incentivo para que as pessoas busquem orientação médica para seu tipo específico de dor de cabeça.

A população também terá a informação correta para saber como diagnosticar corretamente e encontrar o tratamento adequado para não sofrer mais com a cefaleia – ou seja, para viver sem dor de cabeça!

A diretora da Sociedade Brasileira de Cefaleia, Dra. Célia Roesler, vice-coordenadora do Departamento Científico de Cefaleia da Academia Brasileira de Neurologia, alerta que a enxaqueca tem tratamento e é possível viver sem dor. “O diagnóstico da enxaqueca é realizado em uma consulta médica especializada, por meio de uma entrevista detalhada com o paciente, para saber qual a frequência, intensidade e os sintomas da cefaleia, já que não há exame específico para detectar a doença. Após a consulta, inicia-se o tratamento à base de remédio prescrito pelo médico, que pode ser diário”.

Dados sobre a Cefaleia

Segundo dados da Sociedade Brasileira de Cefaleia, mais de 70% das mulheres e 50% dos homens tem ao menos um episódio de dor de cabeça por mês. A enxaqueca – que é um tipo de dor cabeça – atinge mais de 30 milhões de brasileiros.

A maioria desta população não tem diagnóstico correto e acaba apelando para tratamentos inadequados para a dor de cabeça. Assim, é extremamente comum o paciente se automedicar, sem procurar tratamento adequado ou acostumar-se a viver com dor.

A enxaqueca, dor de cabeça intensa, é responsável pela perda de 1,4% do total de anos saudáveis

A enxaqueca está entre as quatro doenças crônicas mais incapacitantes do mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde, a OMS. Muitas vezes é quase impossível identificar as reais causas das intensas dores de cabeça, mas elas ocorrem devido a múltiplos processos do organismo. Durante as crises, há alterações tanto vasculares quanto em vias neurais.

O processo da crise começa basicamente com a liberação de substâncias inflamatórias e aumento da intensidade de estímulos elétricos do cérebro, causando a dilatação dos vasos sanguíneos, responsável pela intensidade da cefaleia. Apesar da eficácia associada a um arsenal terapêutico disponível para o tratamento da enxaqueca, uma grande parte dos pacientes não fica sem dor.

Uma dica importante que a médica costuma dar aos pacientes é que eles anotem sempre os períodos em que tiveram a dor de cabeça e os possíveis fatores desencadeantes, assim como a intensidade (leve, forte, média, muito forte) e, se foi necessário, ingerir algum tipo de medicação. Com esse “diário da dor” é possível traçar um plano terapêutico eficiente.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Cefaleia, os medicamentos preventivos geralmente são reservados para pessoas que apresentam enxaqueca com alta frequência (mais de 02 episódios por semana) ou crises de forte intensidade e que não respondem satisfatoriamente à medicação sintomática.

Os profiláticos também são importantes para pessoas que têm cefaleia em períodos previsíveis. “Por isso é importante o paciente procurar um neurologista especializado pois, com o tratamento preventivo, é possível reduzir a frequência do uso de medicações para as crises, diminuindo as chances de cronificação da dor pelo abuso de analgésicos”, destaca Roesler.

Estilo de vida Mudanças na dieta também são fundamentais para garantir uma melhora efetiva. Alguns alimentos, como o açúcar, cafeína, queijos, molhos, embutidos e até o vinho podem provocar crises em pessoas predispostas, pois liberam substâncias inflamatórias que dilatam os vasos cerebrais e ajudam a desencadear a dor de cabeça. A questão não é cortar o consumo de vez, mas pensar em substituições ou na diminuição da ingestão, principalmente em períodos nos quais o paciente sente que uma crise vai se instalar.

Exercícios físicos também são uma boa pedida, pois eles liberam endorfinas, que são ótimos aliados no controle da dor.

Resumo das características da enxaqueca:
Fonte: Sociedade Brasileira de Cefaleia

Duração das crises: 4 a 72 horas, se não tratadas
Tipo de dor: Pulsátil (latejante), na maioria das vezes.
Intensidade da dor: Modera a forte na maioria das crises não tratadas
Fenômenos acompanhantes: Intolerância à luz (fotofobia), ruídos (fonofobia) e odores (osmofobia), náusea, vômito.
Fatores de agravamento: Movimentos súbitos ou inclinação da cabeça, esforços físicos ou mentais, decúbito (em alguns pacientes).
Fatores de melhora: Sono (em alguns casos), aplicação de gelo, compressão das têmporas.

Saiba mais sobre a Enxaqueca clicando aqui. No link também é possível conhecer o App Diário da Cefaleia, que ajuda a população a lidar com a doença, pode meio do registro de crises e sintomas, oferecendo ferramentas para o controle de hábitos e alimentação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 + 19 =