Assistência social e demandas da saúde

Primeira dama de Aparecida de Goiânia fala sobre seu trabalho à frente da Secretaria Municipal de Assistência Social e os casos compartilhados com a pasta da saúde

Por Alice Galvão, de Goiânia/GO
Fotos: Jhonney Macena (Fotógrafo da primeira dama de Aparecida de Goiânia)

Na cidade de Aparecida de Goiânia, em Goiás, o mês das festas juninas foi também época de se discutir a qualidade de vida da população, de forma ampla e participativa, com a realização da XI Conferência Municipal de Assistência Social. Durante o evento, poder público, entidades de classe e representantes da comunidade discutiram os resultados das ações sociais realizadas pela atual gestão do município, bem como os rumos e propostas para os próximos anos.

mayara mendanha
Primeira dama de Aparecida de Goiania Mayara Mendanha

Sobre este assunto e a relação entre assistência social e saúde, conversei com a primeira dama de Aparecida e Secretária Municipal de Assistência Social, Mayara Mendanha, uma mulher jovem, de presença leve e sorriso solar; atenta a tudo ao seu redor e assertiva no uso das palavras.

“O principal objetivo da Conferência é escutar a população e as entidades sobre o que deve ser melhorado, continuado e mudado com relação às políticas da assistência social”, explicou a Secretária, que este ano contou ter sido anfitriã de uma edição que se destacou das anteriores pela ambientação e organização. Ela elogiou a dedicação e comprometimento das equipes de trabalho e parceiros, que ofereceram “excelência nos mínimos detalhes”. De acordo com ela, isto fez com que as pessoas se sentissem envolvidas, acolhidas e, consequentemente, empolgadas e motivadas a participar.

Mayara Mendanha também me explicou um pouco do funcionamento das unidades de atendimento ligadas à sua Secretaria. “Hoje nós temos nossas unidades da assistência social na cidade toda. Temos os Centros de Referência de Assistência Social (CRAS), que atendem a população toda com trabalho preventivo e acompanham todas as famílias em situação de extrema pobreza, para não chegarem no estado de grande vulnerabilidade”, detalhou.

Além dos CRAS, existem ainda os Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS), acionados quando os direitos dessas famílias já foram violados, como nos casos de crianças que sofrem abuso, ou mulheres que sofrem violência doméstica, por exemplo.

“Temos também as unidades de abrigo e temos os centros de convivência, tanto para atender a criança e o adolescente; quanto o idoso”, detalha. Estes centros de convivência oferecem reforço pedagógico, atividades lúdicas, atividades esportivas, etc.

Encaminhamentos à saúde

Durante a conferência, que durou dois dias, foram apresentadas à população as propostas de trabalho e o relato do que acontece atualmente nestas unidades. “A assistência social também fortalece o relacionamento em rede, porque às vezes chega uma família lá na unidade de CRAS que não precisa de um atendimento da assistência social, mas sim do atendimento da saúde. Então nós encaminhamos esta família para que seja assistida pela saúde. O mesmo ocorre com a educação. Nós fazemos essa ligação da família com a rede do município”, completa.

Além de encaminhar, a equipe da assistência social também monitora estes atendimentos, visitando periodicamente as famílias atendidas e gerando relatórios. “Nós temos que promover a solução para o problema daquela família que chega na unidade”, ressalta a primeira dama.

Ela também conta que a pasta da assistência social tem parceria com a da saúde no encaminhamento de pessoas que sofrem com dependência química aos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS). “Não tem como a assistência social funcionar sozinha. Ela depende das outras pastas, das outras secretarias. E principalmente da saúde”, pondera Mayara Mendanha.

Em seis meses da nova gestão da Prefeitura de Aparecida de Goiânia, a Secretaria Municipal de Assistência Social contabiliza mais de 198 encaminhamentos e acompanhamentos de casos para a Secretaria Municipal de Saúde.

Missão

Durante o tempo em que estivemos juntas, o que mais me chamou a atenção foi a alegria e admiração com que toda a equipe olhava para ela, que retribuía com sorrisos e atenção. Uma presença ao mesmo tempo empática, gentil e poderosa. “Eu encaro tudo isso como uma missão que eu vim para essa terra para cumprir”, afirma acerca de seu trabalho social. “Cada situação com a qual eu me deparo, tento me dedicar ao máximo e sempre fico preocupada com a estratégia que vou criar para gente poder vencer isso”, completa.

No próximo dia 8 de julho a Secretaria realizará a assistência social itinerante, visitando o Bairro Tiradentes. De acordo com Mayara, um dos bairros de grande vulnerabilidade social em Aparecida, com grande incidência de gravidez precoce. O trabalho é feito em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde, oferecendo palestras para conscientização e prevenção. “Estaremos lá para resolver outros problemas sociais também, relacionados a esta falta de estrutura familiar”, reforça.

Quando pergunto como ela se sente lidando com os desafios da assistência social, Mayara responde: “Eu vejo isso com olhos muito humanos e sempre me coloco no lugar das pessoas, para que aquele trabalho tenha um resultado significativo”.

Foto em destaque: Equipe da conferência acompanhada da jornalista Alice Galvão (4ª da direita para a esquerda) e da produtora de eventos Sandra de Azevedo (5ª da direita para a esquerda), com a primeira dama ao centro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *