Enxoval hospitalar: tecidos especiais evitam infecções

Materiais específicos para o enxoval hospitalar garantem durabilidade maior do que o tecido comum e resistem a processos de lavagem e esterilização, prevenindo infecções

Por Karolina Vieira, de Goiânia

Quando se trata de saúde, o sucesso de qualquer procedimento, seja uma simples vacina até as cirurgias mais complexas, depende muito de um fator crucial: materiais esterilizados. A higiene e conservação nesses ambientes não são opção, mas necessidade. Além disso, o preparo desses materiais para uso exige processos cautelosos e que geram custos aos hospitais e clinicas. No caso dos tecidos, a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) estabelece tipos, tramas, cores, gramatura, quantidade de fios, composições e etiquetas de conservação de acordo com cada área hospitalar.

Para o paciente, o conforto é o principal ponto. Em um momento de fragilidade, o tecido adequado faz toda diferença, ajudando a amenizar o tempo fora de casa. Para o hospital, os fatores cruciais na escolha são qualidade técnica e quantidade. Se um dos dois fatores não for levado em conta, impactará negativamente na vida útil e na segurança sanitária. O responsável pela compra precisa avaliar custo e retorno a médio e longo prazo.

A procedência do material utilizado influencia diretamente na segurança do paciente, visto que tecidos de baixa qualidade não suportam os repetidos processos necessários para a lavagem e esterilização e podem acabar transmitindo infecções devido ao mau uso. Segundo o neurocirurgião, Chrystiano Cardoso, dentre algumas das contaminações mais comuns estão Baccilus sp, Escherichia coli e outros Gram negativos, dependendo do tipo de cirurgia realizada e do perfil de microbiológico de cada hospital.

“Esses microrganismos podem causar desde infecções superficiais do sítio cirúrgico até graves infecções generalizadas, aumentando o tempo de internação e gastos com antibióticos e outras medicações podendo levar o paciente inclusive a óbito ou sequelas graves. Atualmente a população idosa no Brasil cresce três vezes mais que a população adulta, aumentando a demanda por cirurgias com utilização de OPME (Órteses, Próteses e Materiais Especiais). Nesse contexto, a preocupação com barreiras para infecção torna-se ainda mais importante.  Com produtos adequados se proporciona um obstáculo contra contaminação de microrganismos oferecendo segurança no seu manuseio”, afirma o médico.

Normalmente são usados dois tipos básicos de tecidos nessas composições: algodão e o poliéster. O primeiro pelo conforto e temperatura e o segundo por sua durabilidade. Porém, apesar das diretrizes da ABNT, a maioria dos hospitais utilizam tecidos comprados dos mesmos fabricantes de empresas que produzem roupas, por exemplo. Dessa forma, pela grande quantidade de processos químicos que os tecidos hospitalares enfrentam para serem esterilizados, os produtos comuns têm vida útil menor.

Contexto regional

Em Goiânia, a empresa Extra Corpus oferece tecidos desenvolvidos especialmente para o ambiente hospitalar. “Buscamos uma matéria-prima importada para fabricar tecidos com o mais alto padrão de qualidade, de acordo com as normas da ABNT. Nossos produtos seguem o manual da Anvisa, garantindo utilização segura, diminuindo o risco de infecção e preservando a saúde e integridade de quem o manuseia”, afirma um de seus sócios, Douglas Di Bellis.

Tanto a linha como os tecidos são mais resistentes, pois foram desenvolvidos especialmente para o ambiente hospitalar. Os produtos duram seis meses, enquanto as opções disponíveis hoje no mercado começam a rasgar com dois meses de uso. O sócio Rafael Paiva Perillo complementa que o objetivo maior é zelar pela saúde e integridade física do paciente e do profissional e garantir superfícies e ambiente de trabalho seguros. “Trabalhamos com um produto ideal para os ambientes e realizamos consultoria para dar suporte aos nossos clientes quanto às escolhas de materiais adequados para cada área hospitalar, atendendo as normas de utilização e garantindo produtos que suportarão constantes processos de lavagem e métodos de esterilização com durabilidade três vezes maior e prevenindo infecções”, finaliza.

2 comentários em “Enxoval hospitalar: tecidos especiais evitam infecções

  • 17/01/2017 em 21:46
    Permalink

    Qual o endereço e contato do fabricante do tecido ou seu representante?

    Resposta
    • 19/01/2017 em 03:29
      Permalink

      Olá, Telma!
      Para estas informações você pode entrar em contato com a Karolina Vieira, da Plena Estratégias Criativas. Ela é responsável pela assessoria de imprensa da empresa. (62) 98173-3471.
      Obrigada pelo seu contato!

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *