Odontologia hospitalar amplia mercado no segmento

Curso de especialização é pré-requisito exigido pelo Conselho da categoria para atuação na área

Por Renato Guima, do Rio de Janeiro/RJ

Pesquisas, estudos e levantamentos de dados em hospitais têm mostrado que a inserção do cirurgião-dentista na equipe multiprofissional de atendimento ao paciente internado pode contribuir para diminuir o risco de infecção, a quantidade de prescrição de medicamentos e o tempo de internação, além de melhorar a qualidade de vida e promover um atendimento completo às pessoas que estão em processo de tratamento.

A Comissão de Ensino do Conselho Federal de Odontologia terminou a análise de todos os processos de habilitação em Odontologia Hospitalar. Reunida no Conselho no Rio de Janeiro, a comissão avaliou os 488 processos pendentes, do total de mais de 1.600, em outubro. A habilitação só será concedida aos cirurgiões-dentistas que comprovarem a realização de cursos em Odontologia Hospitalar.

“A Odontologia vem sendo cada vez mais incorporada nas práticas de atenção integral à saúde e isso inclui os hospitais. Há evidência científica, por exemplo, de que a profilaxia oral reduz significativamente a ocorrência de pneumonia em pacientes internados em unidade de terapia intensiva, infecção associada a óbitos em UTIs”, explica Vera Soviero, coordenadora do curso de Odontologia da Faculdade Arthur Sá Earp Neto (FMP/Fase), em Petrópolis (RJ).

A professora explica que, com o mercado de atuação em expansão, os cirurgiões-dentistas que optarem pela especialização em Odontologia Hospitalar poderão atuar nos setores de enfermaria, UTI, urgência e traumatologia nas unidades públicas e privadas de saúde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *