Urticária aguda e crônica: conheça as diferenças

Vírus, alergias alimentares e medicamentos são algumas das causas da urticária aguda e crônica em crianças e adultos

Entre 15% e 20% da população brasileira já teve urticária, doença manifestada por placas avermelhadas quentes, em alto relevo, geralmente acompanhas por muita coceira. Da mesma maneira que se espalham pelo corpo, elas podem desaparecer com ou sem medicamento.

O desconforto maior sempre é a coceira, que deixa os pacientes debilitados e incomodados por vários dias.

O tratamento da doença se baseia em identificar a causa. A urticária aguda pode ser desencadeada por vários motivos. “Na população infantil, pode estar associada a um vírus, mas não podemos deixar de lado as alergias alimentares, que também são importantes desencadeadoras da doença, tanto em crianças como em adultos, sendo que nestes últimos temos também outro vilão que são os medicamentos”, explica o alergista Dr. Eduardo Magalhães de Souza Lima, da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI).

De acordo com o médico, o tratamento é baseado no uso de antialérgicos e eliminação da causa, quando identificada.

Existem dois tipos de urticárias. A aguda dura menor tempo, no máximo seis semanas. Já a crônica, com duração acima de seis semanas, ainda pode ser classificada como crônica com causas conhecidas e de causas desconhecidas, geralmente chamada de urticária crônica espontânea. “Ainda temos as induzidas por aspectos físicos, ou seja, por água, calor, entre outros fatores”, comenta Dr. Eduardo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *